gototop
Terça, 06 Dezembro 2011 01:00

Imunização de adultos

 

Quem tem entre 20 e 59 anos de idade deve tomar quatro vacinas. Todas estão disponíveis gratuitamente nos centros de saúde do DF


Victor Ribeiro, da Agência Brasília

Muitos adultos, quando pensam em vacinação, lembram do personagem Zé Gotinha e associam a imunização às crianças. Apesar disso, quem tem entre 20 e 59 anos precisa tomar quatro vacinas, que irão proteger contra hepatite B, difteria, tétano, febre amarela, sarampo, caxumba e rubéola. As doses estão disponíveis gratuitamente em todos os centros de saúde do Distrito Federal.

A médica responsável pela Gerência de Vigilância Epidemiológica e Imunização do Distrito Federal, Cristina Segatto, explicou que o órgão realiza diversas campanhas para imunização de adultos durante todo o ano, implantando postos de vacinação em locais que fogem à rotina, como a rodoviária ou o Parque da Cidade, por exemplo. Existem também as campanhas de vacinação de pessoal que trabalha sob o risco de doença, como médicos, enfermeiros, bombeiros e policiais.

As quatro vacinas a serem tomadas pelos adultos são: tríplice viral (contra sarampo, caxumba e rubéola), em dose única; dupla adulto (contra difteria e tétano), com uma dose a cada dez anos; febre amarela, também com uma dose a cada dez anos; e hepatite B, com três doses, que a partir de 2012 terá a faixa etária do público-alvo estendida de 24 para 29 anos.

O chefe do Núcleo de Vigilância Epidemiológica e Imunização da Regional Norte de Saúde, Carlos Vaugrand, explica que uma pessoa só pode ser considerada vacinada se apresentar o cartão de vacinação. “Sem o cartão, é preciso tomar todas as vacinas de novo. Por isso, é preciso manter o cartão atualizado e não perdê-lo”, orienta.

De acordo com o médico, que trabalha no Ambulatório do Viajante do Hospital Regional da Asa Norte (Hran), apresentar o cartão ao se vacinar é importante também para que o governo possa planejar políticas de saúde pública. “A observação do cartão facilita a elaboração de campanhas contra surtos de doenças, porque permite ao governo definir estratégias mais focadas”, destaca Vaugrand.

Dados da Gerência de Vigilância Epidemiológica e Imunização do Distrito Federal, órgão vinculado à Secretaria de Saúde, mostram que, ao todo, 293.161 adultos foram imunizados com as três doses da vacina contra a Hepatite B em 2011. A doença é a que oferece maior risco à população, além de ter tempo fixo de aplicação entre as doses – a segunda deve ser aplicada um mês após a primeira e a terceira, deve ser aplicada seis meses após a segunda.

Cuidados - Antes de se vacinar, lembra o médico Carlos Vaugrand, é preciso estar atento a duas restrições. A primeira delas é quanto à vacinação das grávidas: “Elas devem receber apenas a dupla adulto e a de hepatite B”, informa.

Outro cuidado a se tomar é em relação às vacinas tríplice viral e contra febre amarela. “Como elas são feitas a partir de vírus vivos, ou a pessoa toma as duas no mesmo dia ou toma com um intervalo de 30 dias”, diz.

Viagens - Para quem pensa em viajar, Carlos Vaugrand avisa que, em geral, basta manter o cartão em dia. “Quem vai para Estados Unidos e América Central, por exemplo, já está contemplado pelo nosso calendário normal de imunização. Em geral, a única vacina exigida é a da febre amarela”, afirma.

Carlos Vaugrand acrescenta que somente para alguns países da África e da Ásia são exigidas vacinas específicas, como as contra meningite e febre tifoide. Ele recomenda ainda que quem planeje ir a esses continentes compareça ao Ambulatório do Viajante para receber instruções específicas. “Nós temos orientações sobre cuidados a tomar em alguns países, que vão desde a comida até o uso de cosméticos e o consumo de água”, conta.

O atendimento no Ambulatório do Viajante do Hran (Setor Médico Hospitalar Norte, quadra 101, Área Especial, Asa Norte – Brasília) é feito de segunda a sexta-feira, das 8h às 12h, e deve ser agendado previamente pelo telefone (61) 3325-4362.

agenda governador
momento da copa
banner historia sucessos
VOCÊ ESTÁ AQUI: Início Notícias Saúde Imunização de adultos